.mais sobre mim

Envia-me um e-mail

.pesquisar

 

.posts recentes

. Garrano

. Urso pardo

. Hamster

. O coelho

. Os Golfinhos

. Carta ao Verdinho - Escol...

. PATO-REAL

. A LONTRA

. O GANSO

. Melro-metálico

.arquivos

. Junho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

.tags

. todas as tags

.links

.subscrever feeds

|ESPAÇO CRIANÇA| |DICAS VERDES| |DIAS AMBIENTAIS| |ANIMAIS|

|PLANTAS| |AMBIENTE| |HISTÓRIAS E JOGOS| |SONDAGENS|
Segunda-feira, 4 de Abril de 2011

CORUJA-DAS-TORRES

(Tyto alba)

 

 

A Coruja-das-torres é uma ave tipicamente nocturna, que pode viver até aos 10 anos de idade. Possui uma plumagem suave e densa de cor castanha e manchas pretas nas costas e parte de trás da cabeça. A parte interna das asas, o peito e a parte inferior do corpo têm cor branca. O seu rosto tem uma forma peculiar com olhos negros, que lhe conferem uma excelente visão, e uma crista de penas por cima do bico que se assemelha a um nariz. O seu peso oscila entre 250 e 700 gramas, sendo geralmente as fêmeas maiores que os machos.

 

É uma ave que habita em cavernas, telhados de celeiros e prédios, torres de igreja e em troncos de árvores, alimentando-se principalmente de pequenas aves, roedores, invertebrados, pequenos lagartos e anfíbios, provenientes da caça.

 

Quando as corujas acasalam tornam-se parceiras para a vida, reproduzindo-se uma vez por ano. As crias são alimentadas pelos progenitores que caçam por turnos, de forma a evitar que estas fiquem sozinhas.

 

Visite a exposição fotográfica no C. Informação / bilheteira do parque. Todas as fotografias são de animais presentes no Parque Biológico da Serra da Lousã.

 

Conteúdo desenvolvido por:

QUINTA DA PAIVA
Parque Biológico da Serra da Lousã

3220-154 Miranda do Corvo
Telef. 239 538 444
Tlm. 915 361 527

www.parquebiologicodaserradalousa.net / www.adfp.pt

Espaços visitáveis do parque: Centro Hípico, Quinta Pedagógica, Labirinto de Árvores de Fruto, Parque Selvagem, Museu da Tanoaria e Museu Vivo de Artes e Ofícios Tradicionais.

tags:
publicado por verdinho_naturezabrincalhona às 12:41
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 1 de Abril de 2011

Wallaby

Macropus rufogriseus

 

 

Classe: Mamíferos

 

Ordem: Diprotodontia

 

Família: Macropodidae

 

Dimensões: aproximadamente 1,05 m de comprimento e 0,70-0,75 m de cauda.

 

Distribuição Geográfica: Austrália (especialmente comum na Tasmânia).

 

Habitat: florestas de eucalipto com arbustos e terreno aberto.   

                              

Alimentação: ervas e raízes suculentas.

 

Reprodução: As fêmeas são férteis a partir dos 14 meses de idade, sendo os machos a partir dos 19 meses.

A duração do período de cio é de aproximadamente de 33 dias, sendo o período de gestação de 30 dias.

Nasce uma cria de cada vez sendo dependente da bolsa até aos 280 dias de idade embora a cria se amamente até aos 12 – 17 meses de idade.

Os nascimentos ocorrem geralmente em Fevereiro/ Março.

 

Comportamento:

Como em todas as espécies de macrópodes, os wallabys usam a sua cauda para o equilíbrio.

São basicamente crepusculares, passando as horas do dia a descansar à sombra, pastando no início da manhã e ao fim da tarde.

Refrescam-se lambendo as suas mãos.

São essencialmente solitários embora pastem em grupos de cerca de 30 indivíduos.

 

Curiosidades:

Esta espécie é protegida por lei em todos os Estados onde ocorre, podendo ser caçados sob licenciamento em determinadas alturas, na Tasmânia.

 

Estatuto de conservação e factores de ameaça:

Os wallabys foram vítimas da caça para aproveitamento da pele e, pelos agricultores devido à competição das pastagens para o gado.

Outra causa da sua redução foi também a destruição das florestas.

CB (Nascido em cativeiro)

 

Websites

http://animaldiversity.ummz.umich.edu/site/accounts/information/Macropus_rufogriseus.html

http://www.iucnredlist.org/apps/redlist/details/40566/0

 

Conteúdo desenvolvido por:

Parque Zoológico de Lagos

http://www.zoolagos.com

 

tags:
publicado por verdinho_naturezabrincalhona às 19:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito